A paixão dos brasileiros por carros

Metade dos lares brasileiros possui ao menos um automóvel para uso pessoal dos moradores

Foto: Divulgação Lamborghini

Um carro é mais do que um bem material, mais que um meio de transporte e muito mais que um símbolo de status. Para o brasileiro, ele é uma paixão. Apesar do congestionamento das estradas ou altos valores em impostos, as pessoas ainda escolhem os carros como principal meio de transporte. Embora tenhamos cada vez mais opções disponíveis, os automóveis continuam sendo o meio mais onipresente em todo o território nacional.


Muitas pessoas dirigem não apenas por necessidade, mas também por diversão. Em termos gerais, dirigir é uma habilidade e, como qualquer outra, algumas pessoas gostam de praticar e aprimorar essa habilidade – com segurança e responsabilidade, é claro!


É exatamente o caso de Leila Pereira, que atua hoje como empreendedora no ramo de beleza. A paixão por automóveis começou quando ela ainda era bem pequena, ao ouvir os tios falarem sobre fuscas, um dos grandes amores da família inteira. “Lembro desta época com muito carinho. Todo mundo tinha o sonho de ter um fusca. E acho que a vida foi fazendo eu me apaixonar ainda mais, porque meus primeiros empregos foram em concessionárias automobilísticas. Foi aí que a minha paixão ganhou mais força, curiosidade e fervor”, conta.


Leila está sempre de olho nos lançamentos e desejando boa parte deles. A empreendedora ainda não teve o carro dos sonhos, mas diz que trabalha para isso. “Meu objetivo é ter uma Range Rover Evoque. Já pesquisei muito sobre este modelo e sou apaixonada! Já tive a oportunidade de entrar em uma e foi mágico”.


Os automóveis fazem parte da rotina dos brasileiros. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), realizada pelo IBGE, 49,2% dos domicílios brasileiros possuem ao menos um automóvel para uso pessoal dos moradores, e 22,9%, ao menos uma motocicleta. Os dados também apontaram que 11,7% das residências possuem os dois: pelo menos um carro e uma moto. A maior parte dos domicílios com carro e moto está no Centro-Oeste. Confira os dados completos:



Atrações especializadas

Paulo Valdeni viajou mais de 300km, de Santa Catarina até o Rio Grande do Sul, para conferir de perto alguns dos carros que marcaram a história da indústria automobilística e do cinema nos anos dourados. O aposentado viajou, inclusive, de carro até Gramado, que fica na região das Hortênsias, na Serra Gaúcha. O terceiro destino mais desejado do Brasil, além de encantar com suas ruas floridas e detalhes na arquitetura, também conta com o Hollywood Dream Cars, um espaço que existe desde 1997 e foi planejado para que as famílias sintam e vivenciem o clima e a emoção das décadas de 20 a 60. “Eu pesquisei muito na internet antes de ir até lá, mas mesmo assim me surpreendi. Os carros são incríveis e, para mim, que sou um apaixonado, foi um momento muito especial, principalmente porque pude ir com a minha família”, lembra.


Foto: Divulgação Hollywood Dream Cars

O Hollywood Dream Cars é só uma das atrações gerenciadas pela empresa Dreams Entertainment Group. Também em Gramado, a companhia conta com o Super Carros, fundado em 2009. Este foi pensado especialmente para aqueles que são apaixonados por adrenalina e velocidade, com carros de luxo esportivos e turísticos. Atualmente, o Super Carros conta com mais de 30 supermáquinas, diversas atrações e um espaço de 2400m².


Segundo Elodir Côrrea, gerente comercial da Dreams Entertainment Group, no local é possível testar até carro de Fórmula 1, além de visualizar a performance de diversas máquinas em circuitos consagrados no mundo. Isso, graças aos diferentes simuladores com movimentos e estáticos dispostos no salão. Outra atração do Super Carros é o Cinema 9D. Por meio de uma tecnologia de ponta, o usuário senta em uma cadeira que reproduz os movimentos que acontecem em um filme. Algumas experiências incluem um simulador de voo, um simulador de montanha russa, entre outros.


Foto: Divulgação Super Carros

“Em todas as nossas atrações juntas, recebemos cerca de um milhão de visitantes por ano. Muitas dessas pessoas chegam aqui atraídas pelo ramo automobilístico. Todos os carros são muito fotografados, mas entre os principais estão os Cadillacs e, claro, as Ferraris”, conta o gerente.


Para quem prefere as motos, Gramado também não deixa a desejar. Único empreendimento temático da América do Sul a homenagear a lendária marca de motocicletas Harley, o Gramado Motor Show é voltado não só para os amantes deste tipo específico, mas para todo público turista que visita a região. “Todas as nossas atrações são experiências. É incrível ver avós que veem visitar com seus netos e se emocionam contando suas histórias e lembrando o passado. Mesmo durante a pandemia de Covid-19, todas as atrações continuam sendo muito visitadas, já que o atendimento foi reduzido para estar dentro das normas e, claro, tomando todos os cuidados. Durante toda a última temporada, trabalhamos com apenas 25% do público”, explica Elodir Corrêa.


Primeiro Lamborghini Sián é de um brasileiro

Enquanto alguns visitam supercarros em museus, outros podem tê-los em casa. O brasileiro Henrique Grossi vai ter o privilégio de ter o chassi número um do primeiro carro híbrido leve da história: o Lamborghini Sián. O automóvel da marca italiana é o mais potente já feito para andar nas ruas. No entanto, o carro de luxo está longe de circular em terras brasileiras. Depois de dois anos de espera, o empresário, que é radicado em Londres, já recebeu o superesportivo e deve dirigi-lo apenas por lá. O Sián tem um custo de 3 milhões de libras – cerca de R$ 22,5 milhões – e terá apenas 63 unidades produzidas. Grossi é casado com a bilionária Camila de Godoy Bueno, herdeira do Grupo Amil. Ele coleciona ainda outros automóveis, como McLaren Senna, Ferrari Portofino e Lamborghini Aventador S. Todos são modelos que parecem ter saído de um videogame com supercarros modernos.


De jogador de videogame a piloto

Foto: Arquivo Pessoal Elisson Flauzino

Quando criança, Elisson Flauzino sempre observava o pai deitado no sofá de casa assistindo a corridas de Fórmula 1 pela televisão. Até então, a paixão do pequeno era futebol, mas um dia decidiu fazer companhia para o pai em frente à TV e se apaixonou pelo automobilismo. Passou a acompanhar a modalidade e, já mais velho, até se esforçar para acordar de madrugada e ver os treinos livres.


No videogame, passou a mergulhar em um universo de fantasia, no qual se imaginava um dos corredores nas partidas virtuais. Competia principalmente com o irmão. “Meu sonho, na época, era poder jogar com meu irmão, mas cada um em uma televisão diferente, já que se corria na mesma tela, dividida. Com o avanço da tecnologia, isso passou a ser possível, inclusive estando à distância, cada um em sua casa”, observa.


Atualmente, Elisson realizou o sonho de infância e é piloto de e-Sports – termo utilizado para denominar os esportes eletrônicos em competições organizadas, inclusive profissionais –, defendendo a equipe Lautech Racing. Além de correr em campeonatos de vários simuladores, como iRacing, Assetto Corsa Competizione, Raceroom e Rfactor 2, o piloto também já participou de corridas de Kart indoor.


“Quando decidi entrar para as corridas virtuais, na minha estreia já consegui a primeira vitória. E não foi uma época fácil da minha vida. Cinco dias antes eu tinha feito uma cirurgia de retirada do apêndice, então fiz a corrida ainda com algumas dores. Foi muito emocionante porque, após a entrevista para os telespectadores na transmissão oficial da liga organizadora do campeonato, eu recebi a ligação do meu irmão, comovido pela vitória”, lembra.


No simulador Raceroom, conseguiu a melhor marca na carreira: a 9ª colocação na categoria WTCR (Taça do Mundo de Carros FIA). Com esta posição, Elisson foi classificado para a disputa presencial na Alemanha, sendo o único piloto da América Latina a conseguir o feito. No entanto, não conseguiu viajar até o país europeu por falta de apoiadores para cobrir os custos. Se tivesse competido, o piloto poderia ter ganhado o prêmio máximo de 25 mil euros.


Mas além dos carros de corrida, Elisson também se interessa muito pelos automóveis utilizados nas ruas. Gosta de pesquisar detalhes, tecnologias e valores, para estar sempre atualizado dentro desse mundo. “Sempre que sai um modelo de carro, vou nos canais de vídeo da internet para ver comentários sobre os lançamentos. Procuro saber as características dos automóveis e se alguma empresa desenvolveu algo inovador dentro do carro ou embaixo do capô”, diz.


“Meu carro predileto da vida é o Mustang Shelby GT500, de 1967. Este é o carro principal do filme ‘60 segundos’, que estreou em 2000. Ele custa cerca de US$ 500 mil (R$ 2,6 milhões, na conversão direta). Ele tem um motor 5.8 V8 com mais de 640 cv de potência, e o câmbio é manual, com cinco marchas. Mas meu carro dos sonhos mesmo é o modelo 2020 dele. Custa cerca de US$ 73 mil e percorre um quarto de milha (402 metros) em menos de 11 segundos”.


Os carros mais clássicos para os brasileiros

O mercado automobilístico nacional lançou centenas de modelos desde que começou as atividades no Brasil. Alguns deles são cultuados e lembrados com carinho por fã-clubes e saudosistas nostálgicos. A equipe da Vision Business reuniu alguns dos carros mais clássicos no imaginário brasileiro e convida você a recordar cada um deles.


VW KOMBI (PRODUZIDA ENTRE 1957 E 2013)

Originalmente batizada de Kombinationsfahrzeug, a Kombi surgiu como uma opção simples e mais barata para realizar o transporte de cargas e também para o lazer. O modelo, que se destacava pela mecânica, preço baixo e robustez, tornou-se ícone da cultura alternativa e precursor da história das exportações da VW do Brasil.


VOLKSWAGEN FUSCA (PRODUZIDO ENTRE 1936 E 2003)

O irmão mais velho da Kombi, o Fusca, surgiu com o objetivo de ser um automóvel barato, de fácil manutenção e baixo consumo de combustível (para a época). Ele, que ao redor do mundo foi batizado com vários nomes, no Brasil foi tão icônico que chegou a representar mais de 70% de toda a frota nacional na década de 1970. O último modelo foi produzido em 2003, no México.


VW GOL GTI (PRODUZIDO ENTRE 1988 E 2000)

O Gol GTI inaugurou a era da injeção eletrônica no Brasil, deixando de lado aquela história de ligar o automóvel e esperar o aquecimento do motor. Já no primeiro ano de produção, consagrou-se como um produto exclusivo. Foram produzidas, na época, apenas duas mil unidades. Além disso, ele chegava a 100 km/h em 9,5 segundos.


FORD ESCORT XR3 (PRODUZIDO ENTRE 1983 E 1996)

O Escort é considerado o primeiro carro de marca mundial da Ford e foi um grande sucesso de vendas até o último ano de sua produção, em 1996. Entre as novidades apresentadas ao longo dos anos estiveram os faróis de milha e de neblina, teto solar, lavadores de faróis, bancos, volantes esportivos, rodas de liga-leve de 14 polegadas e aerofólio traseiro.


FORD MAVERICK (PRODUZIDO ENTRE 1973 E 1979)

O Maverick chegou a ser utilizado em diversas produções cinematográficas, devido à sua imagem de ágil e jovem. Lançado como um automóvel que reunia requinte com esportividade, ele vendeu cerca de 100 mil exemplares no Brasil. A queda nas vendas aconteceu pelo surgimento de um outro sucesso de produção, o Corcel II.


0 comentário