CRIPTOMOEDAS: DÁ PARA INVESTIR COM SEGURANÇA?

As criptomoedas são moedas digitais que podem ser usadas para comprar bens e serviços e que usam criptografia para proteger as transações on-line. Muitas empresas passaram a emitir suas próprias moedas, geralmente chamadas de tokens, e estas podem ser negociadas especificamente pelo bem ou serviço que a empresa fornece. Pense nelas como se fossem fichas de fliperama ou fichas de cassino. Você precisará trocar a moeda real pela criptomoeda para acessar o produto ou serviço. A criptomoeda mais popular, Bitcoin, teve variações de preço voláteis este ano, chegando a quase US $ 65.000 em abril, antes de perder quase metade de seu valor em maio.


As criptomoedas funcionam usando uma tecnologia chamada blockchain, que é descentralizada e espalhada por muitos computadores, atuando no gerenciamento e no registro das transações.

Quantas criptomoedas existem?

Mais de 10 mil criptomoedas diferentes são negocia[1]das publicamente, de acordo com o CoinMarketCap.com, um site de pesquisa de mercado. O valor total de todas as criptomoedas em 27 de maio de 2021 foi superior a US $ 1,7 trilhão – abaixo da alta de abril, de US $ 2,2 trilhões.


O valor total de todas as criptomoedas no final de julho foi superior a US $ 1,4 trilhão – abaixo da alta de abril, de US $ 2,2 trilhões.


Como faço para comprar criptomoedas?

Enquanto algumas, incluindo o Bitcoin, estão disponíveis para compra em dólares americanos, outras exigem que você pague com Bitcoins ou com outra criptomoeda. Para comprar criptomoedas, você precisará de uma ‘carteira’, um aplicativo on-line que pode armazenar sua moeda. Geralmente, você cria uma conta em uma bolsa e pode transferir dinheiro real para comprar criptomoedas como Bitcoin ou Ethereum.


Por que as criptomoedas estão ficando tão populares?

As criptomoedas atraem seus apoiadores por uma série de razões. Uma das principais é que o Bitcoin, por exemplo, é visto como a moeda do futuro, e muita gente está correndo para comprar esse tipo de criptomoeda agora, provavelmente antes que ela se torne mais valiosa. Alguns defensores também gostam do fato de que a criptomoeda impede os bancos centrais de administrar a oferta de dinheiro, uma vez que, com o tempo, esses bancos tendem a reduzir o valor do dinheiro por meio da inflação. Outros apoiadores adoram a tecnologia por trás das criptomoedas, o blockchain, porque é um sistema descentralizado de processamento e registro e pode ser mais seguro que os sistemas de pagamento tradicionais que já conhecemos.

As criptomoedas são legais?

Depende de cada país, individualmente. Nos Estados Unidos, por exemplo, as criptomoedas são legais. Já na China, o uso foi banido. Para justificar a proibição de transações de criptomoedas no país, o Banco Central da China (PBOC) alegou que as moedas digitais não são ‘reais’ e que as instituições financeiras e de pagamento chinesas não possuem permissão para estipular preços de produtos em qualquer moeda digital. No Brasil, não existe uma regulação específica para ativos digitais, o que não torna ilegal sua posse ou comercialização. O Bitcoin e as criptomoedas são reconhecidos, inclusive, pela Receita Federal, para termos de tributação e declaração, e pela Justiça brasileira, sob a ótica de bens e direitos. Na prática, o bitcoin não é atrela[1]do a economias estatais, por isso não pode ser considerado uma moeda – embora reúna vários dos principais aspectos definidores de moedas.


El Salvador pode adotar criptomoeda de forma oficial

O presidente de El Salvador, Nayib Bukele, anunciou um projeto para reconhecer, legalmente, o uso do Bitcoin. Se aprovado pelo Congresso, El Salvador se tornará o primeiro país do mundo a adotar a criptomoeda dessa forma. A decisão tornará o Bitcoin dinheiro, a partir do que pressupõem as leis comerciais e de contabilidade do país, ou seja, o comércio, as empresas e as pessoas seriam obrigados a aceitar a criptomoeda como forma de pagamento, assim como ocorre com o dólar americano, que é a moeda oficial de El Salvador. Bukele afirmou que sua decisão ocorreu ao perceber que “os bancos centrais estão tomando cada vez mais ações que podem causar danos à estabilidade econômica de El Salvador”. Para o presidente, é preciso “autorizar a circulação de uma moeda digital com oferta que não pode ser controlada por nenhum banco central”, como forma de aliviar esses impactos negativos. Nas redes sociais, ele destacou que o valor de mercado do Bitcoin hoje é de US$ 680 bilhões e, se 1% disso fosse investido em El Salvador, poderia aumentar o Produto Interno Bruto (PIB) do país em 25%. Ademais, para o Bitcoin haveria um potencial de 10 milhões de novos usuários.

0 comentário