JOVENS BUSCAM AUPAIR COMO ALTERNATIVA PARA DESBRAVAR O MUNDO

Ter uma experiência no exterior é o sonho de muitos. Para jovens ou adultos, conhecer uma cultura diferente e um novo estilo de vida motiva diversas pessoas a procurar um programa de intercâmbio e embarcar para outro país.


Com o intuito de ter esta vivência no exterior, muitas meninas entre 18 e 26 anos buscam o programa AuPair como alternativa. Essa modalidade de intercâmbio de longa duração atrai muitas jovens, principalmente pelo fato de o montante investido ser menor do que outros tipos de programa de intercâmbio.


Marina Mattos já foi AuPair na Alemanha e na Holanda e, agora, vive na Califórnia, nos Estados Unidos. Por meio do Instagram, ela compartilha toda a experiência que adquiriu com a participação no programa, com o intuito de motivar outras meninas que também tenham o sonho de viver no exterior. “Eu não tinha muito dinheiro e queria poder ter a experiência completa de imersão cultural em um novo país. Também queria poder ter tempo para viajar e curtir o intercâmbio. Por isso, o AuPair era o programa perfeito para mim.


A vontade veio daí, de querer viajar e explorar mais o mundo”, relata. Formada em jornalismo, Marina tem experiência de pelo menos cinco anos como AuPair. Porém, foi apenas em 2020 que passou a publicar a vivência nas redes sociais e falar um pouco mais sobre o processo de candidatura ao programa com outras pessoas.

Crédito: Arquivo pessoal

Vontade de desbravar o mundo

Com o passar do tempo e com as dicas que ela disponibiliza sobre o pro - grama AuPair, o perfil de Marina no Ins tagram (@viajamarina) passou a ganhar mais visibilidade e seguidores. “É incrível poder ensinar mais mulheres a fazerem esse intercâmbio de forma segura e barata. Mostrar que morar fora não é só para gente rica e que existe um mundo de possibilidades”, comenta.


Dentre os tipos de publicações cria - dos por Marina, os conteúdos que en - sinam são aqueles que mais chamam a atenção das pessoas que a seguem. “Tenho ótimos resultados com os conteúdos que inspiram, mas acho que a ficha ainda não caiu de que meus textos realmente podem mudar alguma coisa na vida de alguém. Os conteúdos que ensinam recebem um feedback muito certeiro. Quando me mandam mensagem dizendo que nunca pensavam em ir para a Alemanha e por minha causa agora es - tão no processo, meu coração se enche de amor”, afirma.


O programa de AuPair nos Estados Unidos deve terminar ainda em 2021. Mesmo assim, a intenção de Marina é continuar produzindo conteúdo e auxiliando aqueles que pretendem fazer parte do processo seletivo dele. “Acredito que quando o AuPair acabar, vou ter tempo para realizar um monte de projetos que estão na gaveta e ajudar ainda mais pessoas”, aponta.


O que é o programa AuPair

Além de passar pelo menos um ano longe dos amigos e da família, um dos desafios da AuPair é ajudar uma família no cuidado com os filhos. Estas meninas serão as responsáveis por cuidar das crianças, auxiliá-las com a escola e outros compromissos que tenham. Por promover essa troca cultural e ter a oportunidade de desenvolver, na prática, um novo idioma, a procura por este tipo de programa de intercâmbio é bastante grande.


Segundo a presidente da Associação Brasileira das Agências de Intercâmbio (Belta), Maura Leão, as pessoas que participam do programa de AuPair tem um foco maior na experiência cultural e na vivência no exterior. “É uma oportunidade para quem não tem foco exclusivo na parte acadêmica. Os participantes recebem uma bolsa de até 500 dólares para pagar um curso acadêmico, que é obrigatório, mas terão uma convivência com a família e as crianças, podendo conhecer outras intercambistas e, assim, aprimorar o inglês”, explica Maura.


Para candidatar-se ao AuPair, é necessário que os candidatos cumpram uma série de requisitos. O primeiro deles, por ter que trabalhar com as famílias, é gostar de crianças. Tanto é que a experiência deve ser comprovada por meio de documentos. Além disso, é necessário ter entre 18 e 27 anos incompletos, possuir nível de inglês intermediário e carteira de habilitação. “É importante que elas tenham experiência na direção, pois muitas vezes a família dará o carro para que elas possam levar as crianças em seus compromissos”, afirma.


Esse é um tipo de intercâmbio bastante regulamentado, pois os que forem selecionados para participar do programa recebem um visto que permite o trabalho com as famílias. “É um programa regulamentado pelo governo. Elas vão receber um salário, há uma carga horária máxima de trabalho. Tudo será combinado com a família durante as entrevistas”, aponta a presidente.


Por conviver ao menos um ano inteiro com a família, com a possibilidade de renovar o programa por mais um, o candidato deve ter, no mínimo, o nível intermediário de inglês. “É necessário que ele consiga se comunicar, falar ao telefone, conversar com as famílias durante a entrevista”, explica.


Oportunidade de desenvolvimento pessoal

Mesmo após o embarque ao exterior, a AuPair terá um apoio no país estrangeiro, por meio das coordenadorias em cada região. Além de cuidar das crianças, as jovens também serão estimuladas a fazer amizades com AuPairs de outros países. “Isso é extrema - mente importante e irá contribuir para o desenvolvimento pessoal, profissional e até cultural dessas meninas”, salienta a presidente da Belta.


Dependendo do desempenho das meninas no trabalho, o relacionamento delas com as famílias que as recebem acaba se estreitando. Algumas acabam sendo apadrinhadas e permanecem no país para outros desafios. “Após o programa, algumas meninas encontram a oportunidade de fazer uma graduação ou pós-graduação no exterior”, completa.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo