Nova Zelândia aprova licença remunerada para casais que enfrentam aborto


Foto: John Looy

Uma nova lei que permite três dias de licença remunerada para casais que passem por situação de um aborto espontâneo ou natimorto, foi aprovada por unanimidade na Nova Zelândia. A legislação passou por anos de elaboração e é considerada um passo significativo no país para permitir o luto após a perda da gravidez e para combater o estigma em torno do aborto espontâneo.


No país, a perda de gravidez é relativamente comum; entre 10% e 20% das gestações terminam em aborto espontâneo. Normalmente, se refere à perda de uma gravidez antes da marca de 20 semanas, enquanto o natimorto ocorre na última metade do prazo de 40 semanas.



A Nova Zelândia é pioneira nesta nova abordagem no apoio a casais de luto que perdem a gravidez em qualquer estágio. A partir desta lei, outras nações devem seguir o exemplo e apoiar os trabalhadores que estão passando por perdas.

0 comentário