Onze a cada dez pessoas desejam conhecer Paris

Por Mareliza Cupolilo


Foto: Ana Rita Rodrigues

Nenhum outro lugar habita o imaginário coletivo tal como a capital francesa. Quando surgiu a oportunidade de conhecer a ‘Cidade das Luzes’, não deixei escapar, porém meu contato inicial não poderia ter sido mais clichê.


Já era noite, e o meu orçamento, bem curto. Busquei um restaurante próximo ao hotel para jantar. Naquele bistrô, pedi um entrecôte, mas a carne veio extremamente malpassada. Ingenuamente, perguntei ao garçom se seria possível chegá-la ‘ao ponto’. A resposta foi um sonoro:


– Não. Esse é o ponto do chef!


Como não podia desperdiçar uma refeição paga em euro, comi a carne mesmo assim. E estava uma delícia. Dali, tomei o metrô e percorri um longo caminho até chegar à Torre Eiffel. Eu tinha urgência em conhecê-la pelos meus próprios olhos.


Já eram 23 horas quando me deparei com a sua magnitude. O problema é que eu não esperava encontrar o campo minado que vi diante de mim: por toda parte havia excrementos de pets que não foram recolhidos por aqueles que deveriam fazê-lo. Lidar com essa situação me fez pensar em Tom Cruise em sua eterna ‘Missão Impossível’, pois qualquer passo em falso seria catastrófico.


Voltei para o hotel cansada e um tanto frustrada, reconheço.


Mas bastou amanhecer para que também amanhecesse a luz dentro de mim. No café da manhã, havia um croissant recém-saído do forno e o cheiro daquele quitute fresquinho faria cair de joelhos o mais incrédulo ateu. Catapultada por essa experiência, saí flanando pela cidade.


Após me envolver pelo perfume e pelas luzes de Paris, decidi voltar aos pés da famosa torre e dar outra chance para o monumento mais fotografado do mundo. Ali estando, aquela minha primeira e decepcionante impressão foi embora com o vento. Na verdade, poder encarar ‘la tour’ bem do centro da sua grandeza faz estremecer qualquer terráqueo.

Com certeza, muitos já ouviram falar da importante primeira-ministra do Reino Unido, Margareth Tatcher, e da sua alcunha ‘A dama de ferro’.


De fato, as façanhas políticas de Tatcher ficarão registradas na história. Mas, do meu ponto de vista, a Torre Eiffel é a insuperável e atemporal Dama de Ferro.


Depois daquela segunda vista, não havia dúvidas, Paris tinha me fisgado de jeito.


E, assim, vieram novas experiências, com mochila nas costas ou mala de rodinhas.


É algo inestimável poder andar à beira do Sena e apreciar os tesouros expostos pelos seus ‘bouquinistes’. Para, então, dobrar à direita e entrar no Quartier Latin, deixando-se perder entre tantas vielas multicoloridas que exalam o cheirinho bom das cozinhas de distintas partes do mundo, enquanto se escuta o sotaque francês, grego, italiano e muitos mais.


Foto: Arquivo Pessoal Mareliza Cupolilo

Encostada no Quartier fica a imponente catedral de Notre-Dame. A igreja gótica de proporções gigantes, que teve sua construção iniciada há mais de 850 anos, foi tomada por um incêndio no ano de 2019, e tal episódio fez o mundo inteiro assistir boquiaberto ao fogo que consumia sua cúpula. Felizmente, a Notre-Dame está em reforma e há de voltar a ser aberta ao público.


A poucos passos, a livraria Shakespeare and Company lança seu feitiço àqueles que passam, fazendo bater em novo compasso o coração de quem ama (ou não) livros.


Por toda parte, Paris é pura luz e muito amor. A cidade de alma feminina envolve seus turistas com seu ambiente inebriante. O belíssimo e famoso Museu do Louvre abriga o maior acervo de obras de arte do mundo e, não à toa, é o museu mais visitado do planeta.

Para quem ama compartilhar seus passeios em fotos, o que poderia ser mais instagramável que a grande pirâmide de vidro que dá acesso ao museu?


Para uma experiência boêmia e relaxada, deixe-se perder por Montmartre com seus iluminados cabarés e charmosos restaurantes, para depois subir à alva Basílica do Sacré-Coeur. No meio do trajeto, que tal ser modelo para um retrato pintado ou uma caricatura feita por algum artista na Place du Tertre? A praça reúne dezenas de artistas trabalhando ao ar livre e, apenas para dimensionar o tamanho da sua fama, basta dizer que Picasso, Van Gogh, Renoir, dentre muitos outros artistas consagrados, frequentavam aquele espaço.


Caminhar pela avenida Champs-Élysées até chegar ao Arco do Triunfo é um passeio que ninguém deve dispensar. A famosa Champs oferece atrações para todo turista, desde lojas grifadas às populares fast-fashions, e também muitos restaurantes, padarias, cinemas e tanto mais. Mas subir ao Arco do Triunfo é a cereja do bolo. O acesso ao topo é feito, exclusivamente, por escadas, e são 284 degraus antes de alcançá-lo. Lá de cima, a visão de Paris é ainda mais apaixonante.


Foto: Patrick-Langwallner/Unsplash

Para finalizar o dia com um jantar delicioso seguido de uma balada memorável, não deixe de ir ao incensado Matignon. Mas chegue cedo ou tente reservar com antecedência, porque o club é realmente muito exclusivo e disputado.


Não há cantos desinteressantes na Cidade da Luz: Le Marrais, Saint-Germain-des-Près, Place Vendôme, Jardin des Tuileries ou a Place de La Concorde. Não importa onde você esteja; se estiver na capital francesa, estará no lugar certo.


Paris, je t’aime!


EU INDICO

Fotógrafa em Paris: Ana Rita Rodrigues @anaritarodriguesphotographie.


Foto: Ana Rita Rodrigues

Bouquiniste: um verdadeiro patrimônio parisiense, os bouquinistes são vendedores que se estendem por quilômetros ao longo do Sena, com as suas caixas verdes de metal que guardam de tudo um pouco: livros, antiguidades, artigos de decoração, souvenires etc.


Foto: Behn Lieu Song/Wikimedia COMMONS

Filmes e séries: Midnight in Paris, disponível na Amazon Prime, e Emily em Paris, na Netflix

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo