Para ter resultados diferentes, é preciso fazer diferente


Fotos: Davi Nascimento

Por Vanessa Mendes


Um Victor muito feliz. De pés descalços, com o coração leve e tranquilo. Voz calma e envolto de emoção quando falamos sobre a infância, família e missão de vida. Doutor Victor Sorrentino, por mera formalidade, pois dispensa o título, recebeu a equipe da Vision Business em sua casa, em Porto Alegre, para uma entrevista exclusiva e com sessão de fotos por Davi Nascimento.


Foi um bate-papo tão fluido que nem o avançar da hora percebemos. Transparente, educado e com uma habilidade ímpar para traduzir e ‘quebrar os tabus da medicina’, ele nos relatou sua trajetória. A ‘fama’ de polêmico, desmistificamos. Bastaram poucos minutos para compreender a sua essência e entender que é um profissional de valores, que preza por uma atuação mais humana na área da saúde.





O médico gaúcho, aos 42 anos, tem como missão ajudar as pessoas a transformarem pensamentos e atitudes por meio da chamada Medicina Integrativa. Sorrentino nos encoraja a assumir o controle de nossa vida e o controle de nossa saúde. Tanto que a sua verdade é oferecer ao paciente um caminho mais seguro. Nas redes sociais, incentiva uma vida saudável, de qualidade e longeva.


Pregador da ciência da saúde, dos hábitos de vida, seu despertar para uma medicina moderna, atualizada e preventiva ocorreu após ele próprio avaliar sua saúde aos 27 anos. Mesmo sem estar doente, tomava dois medicamentos controlados por dia, para ter mais energia e aguentar uma rotina exaustiva.


Hoje, com plena saúde e disposição, atua também como escritor, professor e palestrante internacional. Filho de um renomado cirurgião plástico, Victor respirou medicina desde cedo. Iniciou suas especializações em cirurgia geral e plástica, seguindo o legado familiar. Mas acabou apaixonando-se pela medicina funcional e partiu para pós-graduações nesse vasto campo da medicina, dentro e fora do Brasil.


Nas próximas páginas, convidamos você a apreciar a história de um profissional que não tolera injustiça, desonestidade, falta de integridade, compaixão, empatia, bondade e benevolência. Basta mexer com uma criança ou um idoso que o superprotetor com alma de guerreiro entra em ação.


"Eu era com toda certeza, o que não poderia falhar".

“Para pensar na frente, tem que pensar na base. Para mudar o futuro, tem que mudar a forma de nascer”. Essa foi uma de suas declarações na edição 2020 do Fator X, em São Paulo. Ovacionado por mais de 8 mil pessoas, o que esta frase tem a dizer sobre o Doutor Victor Sorrentino?

Tem tudo a ver com a minha vida, com a vida da minha família e com o que aconteceu ao longo da minha trajetória. Meu pai conseguiu transformar a história de vida dele e passou isso para os filhos. Então, ficamos com uma responsabilidade muito grande, principalmente eu, que sou o filho mais velho. Eu precisava levar um legado à frente, e o legado não tinha nada a ver com conquista material, mas com honrar as oportunidades que ele não teve. Eu era, com toda certeza, o que não poderia falhar. E esse peso eu acho importante porque hoje se fala dessa coisa de ‘não pode pesar’, de ‘os jovens terem que ter a sua liberdade’. Eu tinha liberdade, mas ela era controlada e foi muito importante para eu saber os meus limites, saber que eu tinha que honrar uma história familiar. Nossa família sempre teve um link muito forte com religião, espiritualidade, e seria um desapontamento total para mim eu não ’dar em nada’, no sentido de não ser capaz de sustentar uma família, porque o trabalho enobrece.


No mesmo evento, o doutor bateu na tecla sobre integridade, afirmando que o fato de seguir firme em seus valores fizeram-no recusar ‘entrar pela porta dos fundos’ em uma especialização médica de cirurgia plástica – reconhecida no mundo todo – com um dos ícones da cirurgia plástica mundial. Qual o impacto dessa decisão na sua vida e na sua carreira?

Essa foi uma opção de trabalho que eu tive. Foi um momento em que eu acreditei que tinha que fazer o que era certo e não aquilo que era simplesmente mais cômodo, ou aquilo que poderia até trazer, teoricamente, mais prosperidade para mim.



Você chegou a comentar que havia outras pessoas concorrendo à vaga e que decidiu recusar pelos seus princípios e valores, já que seu pai tinha um envolvimento de amizade com aquele profissional. Foi assim mesmo?